INTRODUÇÃO

O que a apicultura...

O que é a Apicultura ?

É a criação de abelhas para produção de mel e cera, e também é a parte da zootécnica especial dedicada ao estudo e à criação de abelhas para os seguintes fins: produção de mel, própolis, geleia real, pólen e veneno. Além disso, as abelhas são ótimas polinizadoras.

A apicultura é uma atividade muito antiga em que as suas origens estão na pré-história. São famosos os desenhos descobertos em cavernas na Espanha, mostrando o homem primitivo colhendo o mel de um enxame, com o auxílio de uma escada de cordas presa ao topo de um barranco. Antigos registos do Egipto, Mesopotâmia e Grécia descrevem fatos sobre a criação de abelhas. A Bíblia faz inúmeras referências ao mel e enxame de abelhas. Portanto, o homem e as abelhas já se conhecem há muitos séculos.

A exploração dessa atividade sempre foi feita de maneira muito rudimentar, antieconómica, obtendo-se o mel e a cera em pequenas quantidades, pouco se interessando pela vida no interior do enxame. Os enxames eram quase totalmente destruídos no momento da colheita do mel, tendo que se refazer a cada ano. Porém, com o conhecimento adquirido através dos tempos, hoje o convívio com a abelha é diferente.

Atualmente, quando se fala em desenvolvimento rural, a apicultura e a meliponicultura são imagens que vêm imediatamente à mente, pois a criação de abelhas é uma atividade de desenvolvimento sustentável. As abelhas são indiretamente responsáveis pela produção de alimentos: frutas, legumes e grãos.

Existem cerca de vinte mil espécies de abelhas descritas, distribuídas em oito famílias que são:

* Colletidae
* Andrenidae
* Oxaeidae
* Halictidae
* Melittidae
* Megachilidae
* Anthophoridae
* Apidae

Entre as abelhas existem diferentes modos de vida, denominados graus de sociabilidade, porém, é na família Apidae que encontramos as abelhas mais evoluídas socialmente.

Os dois graus de sociabilidade mais extremos são as abelhas de vida solitária e as totalmente sociais.

Das mais de vinte mil espécies de abelhas, 85% são de vida solitária, 10% são cleptoparasitas, ou seja, “abelhas ladras”, de hábito solitário, que não constroem seu ninho, mas sim, realizam sua postura em células construídas por outras solitárias e apenas 5% das abelhas apresentam algum grau de sociabilidade.

As abelhas com sociabilidade bastante desenvolvida como as abelhas europeias, as africanas e as abelhas indígenas sem ferrão, representam um grupo reduzido dentro desses 5%.

As abelhas prestam serviços ecológicos quando, ao polinizarem as mais diversas flores, contribuem para a produção de melhores frutos e sementes, a base da pirâmide ecológica. Na agricultura, os polinizadores são importantes para várias culturas agrícolas.   Além disso, atualmente, quando se fala em desenvolvimento rural, a apicultura e a meliponicultura são imagens que vêm imediatamente à mente, pois a criação de abelhas é uma atividade de desenvolvimento sustentável. As abelhas são indiretamente responsáveis pela produção de alimentos: frutas, legumes e grãos.

Apicultura migratória é o caminho para atender as necessidades de polinização dos pomares e culturas para a produção de sementes e frutas. E o Brasil, como um dos principais produtores de alimentos do mundo, não pode dispensar a participação das abelhas para garantir a produção, quando os outros insetos de polinização estão sendo destruídos progressivamente pela aplicação cada vez mais intensa e descontrolada dos defensivos agrícolas.

Apicultura é a criação de abelhas em continuamente sob controlo do homem, alojadas em colmeias artificiais, utilizando métodos e equipamento criados para melhor explorar as capacidades naturais deste inseto. Seja por simples passatempo ou por amor à natureza, seja por curiosidade ou por necessidade de estudos, seja por interesse económico, o certo é que mais e mais pessoas se sentem atraídas pela criação de abelhas nos dias atuais, tornando-se portanto, apicultores. A apicultura é uma atividade muito antiga, mergulhando suas origens na pré-história.

São famosos os desenhos descobertos em cavernas da Espanha, mostrando o homem primitivo colhendo o mel de um enxame, com o auxílio de uma escada de cordas presa ao topo de um barranco. Antigos registos do Egipto, Mesopotâmia e Grécia descrevem fatos sobre a criação de abelhas. A Bíblia faz inúmeras referências ao mel e enxame de abelhas. Portanto, o homem e as abelhas já se conhecem há muitos séculos. A exploração dessa atividade sempre foi feita de maneira muito rudimentar, anti-económica, obtendo-se o mel e a cera em pequenas quantidades, pouco se interessando pela vida no interior do enxame. Os enxames eram quase totalmente destruídos no momento da colheita do mel, tendo que se refazer a cada ano. Porém, com o conhecimento adquirido através dos tempos, hoje o convívio com a abelha é diferente.

A importância das abelhas...


As abelhas são sem dúvida, os insetos de maior utilidade para o homem. Dizemos para o homem, porque para a natureza todos os seres, são úteis e tem a sua razão de ser, fazendo parte de um contexto geral no qual o próprio homem tem o seu lugar. As abelhas, porém, fazem a polinização das flores e ainda nos fornecem cera, geleia real, mel, pólen, própolis e o seu veneno, todos produtos amplamente aproveitados como alimento natural ou finalidades medicinais preventivas e curativas.

 

Apiterapia...


É a ciência da cura das doenças com produtos apícolas, embora tendo uma denominação nova, tem profundas raízes na medicina tradicional de muitos povos. Há registos que relatam a prática da apicultura e o uso dos produtos apícolas pelos egípcios há cinco mil anos. Criar abelhas não se destina somente a produção de mel, mas também à polinização agrícola, produção de própolis, pólen, geleia real e apitoxina.

Apiário...


O apiário é um conjunto racional de colmeias, devidamente instalado em local preferivelmente seco, batido pelo sol, de fácil acesso, suficientemente distante de pessoas e animais. Colmeia é o nome dado ao local em que as abelhas habitam. O apiário sofrerá durante toda a sua existência, a interferência de fatores do meio ambiente no qual esta instalado, tais como: temperatura, humidade, chuvas, florações, ventos, pássaros predadores, insetos inimigos e concorrentes. O meio ambiente no qual está instalado o apiário, onde vivem e trabalham as abelhas, será em grande parte, responsável pelo progresso ou não conforme sejam as condições favoráveis.

Portanto, caberá ao apicultor, o emprego da apicultura racional, ou seja, o correto manejo das abelhas, para obter resultados positivos no desenvolvimento do apiário.